Usaria o seu perfil Facebook para enviar candidaturas a vagas de emprego?

Usaria o seu perfil Facebook para enviar candidaturas a vagas de emprego?

Emprego no Facebook?

Em Fevereiro deste ano, o Facebook anunciou a integração de uma área de emprego. Esta medida tinha por objetivo facilitar o processo de divulgação de oportunidades de carreira em páginas empresariais no Facebook.

O Facebook está a testar a possibilidade de incluir um CV nos perfis – aliás chamaram-me “Work Stories” e terá um aspecto muito semelhante à área de experiência profissional que aparece no perfil da cada utilizador Facebook. Para muitas áreas de negócio e para muitas atividades profissionais, será com certeza uma solução mais acertada, trazendo vagas para ambientes de maior utilização de certos setores de atividade.

Vai poder candidatar-se com o seu perfil do Facebook ! Mas será que os profissionais acham esta opção uma boa solução? Lancei a questão no meu perfil Linkedin esta semana e recebi muitas análises que transcrevi para este artigo.

 

Pelo sim…

José Carlos Pereira

Sim utilizaria, porque não? Não vejo isso como ataque, mas sim como mais um serviço. Só beneficia quem utiliza, abrindo mais um CV (Canal de Venda)!! 😉

Nuno Matias

Sou contra Monopólios. Acho bem que se criem concorrentes ao LinkedIn. Agora há que ter em mente outra coisa… Será que o conhecimento excessivo do que chamamos “soft-skills” que as Empresas começam a ter, não estará a entrar demasiado na minha Privacidade!?

Natália Pimenta

Considero que são plataformas diferentes com finalidades diferentes… No entanto o facebook permite mostrar/divulgar apenas o que queremos.

Marcia Andrade

Sim, eu usaria não para procurar mas para responder a alguma oportunidade aí surgisse tal como faço aqui. Mas de qualquer forma, será muito interessante ver as consequências práticas que isso terá e a forma que o Facebook usará para colocar em funcionamento. Vamos ver. Muito curiosa mesmo.

Mário Rui Silva

Não vejo problema de usar o perfil de facebook desde que tenha tudo bem configurado de forma a separar a vida pessoal da vida profissional.

Nelson Viegas

Acho até uma ideia fantástica Pedro Caramez. Do ponto de vista do utilizador vem facilitar a candidatura a emprego a milhares de pessoas… principalmente a todos aqueles que nem sequer conhecem o LinkedIn. (Nunca me canso de lembrar que a vida não roda à volta do LinkedIn) Por outro lado, a pressão da concorrência vai beneficiar o utilizador do LinkedIn, caso este (o Linkedin) se sinta eventualmente ameaçado. E ainda, numa abordagem mais marketiana, percebe-se que existe espaço para os dois, até porque têm públicos diametralmente opostos! Um abraço e obrigado por lançares o desafio!!!

Andre Pinheiro

LinkedIn = vida profissional Facebook = vida pessoal. A mistura pode ser explosiva. Entendo a estratégia do FB, mas não creio que interesse a um empregador o facto de ter tido grande noitada no fim de semana passado 😉

Luis Francisco

Caro Pedro, ainda não te sei dizer. Li os comentários em cima e parecem-me todos sensatos. Depende muito da forma como cada um utiliza o FB. De há 1 ano e tal para cá, utilizo-o com cariz profissional e social-profissional. Hoje utilizo o FB como rede de amizades no sentido profissional da coisa mas até então era só pessoal. Assim, vejo com alguma dificuldade a minha utilização de perfil FB como CV. Também depende como será feita essa partilha. Mas isto digo agora, dia 21-out-17… daqui a uns tempos, não sei. É mesmo, esperar para ver. Se for bom, encerro este perfil e crio outro puramente profissional transferindo todas as amizades e contactos para lá. Repito, é esperar para ver

José Carlos Maximino

Why not? Cada um faz uso do FB como bem entende – e arca com as consequências: boas ou más. Para os recrutadores até é capaz de ser bom, Pedro Caramez. Escusam de andar às aranhas no FB para cuscar a vida do candidato.

Michael Pereira

Depende do ponto de vista do utilizador. Há quem use o Facebook como vida profissional e que considere uma mais valia! No meu ponto vista, não, não está a atacar mas sim a acrescentar mais um valor ao seu perfil

João Batista

A ideia de que cada plataforma tem apenas um fim específico e que, por exemplo, facebook é pessoal e LinkedIn profissional, é no mínimo ingénua. A presença na web de cada indivíduo deve ser vista como um todo e trabalhada nesse sentido. Acreditem que os recrutadores, pelos menos os melhores, vão encontrar o vosso Facebook, quer ele esteja público ou privado, quer o utilizem para fins profissionais ou pessoais. Entendam que tudo o que colocam na internet, está acessível para qualquer pessoa que saiba procurar. Candidaturas via Facebook é algo óbvio e que já existe há muito. Se vem aí uma ferramenta dedicada a este comportamento pré-existente, óptimo! Boa jogada do Facebook!

Marlene Conraria

Daquilo que sei que acontece no mundo dos recrutadores, o perfil de Facebook dos candidatos é também analisado. Na minha perspetiva, qualquer rede social pode ser utilizada para divulgar a nossa marca pessoal. Os conteúdos é que podem ser ajustados aos diferentes públicos das várias redes. Para mim a questão que aqui se coloca é existência ou não da marca pessoal. Ainda que o LinkedIn seja a maior referência a nível profissional a informação que é publicada nas restantes redes deverá suportar a imagem profissional. As empresas não contratam CV’s, contratam pessoas.

Rui Proença

Deixo o meu comentário, pese embora ele possa estar desde já condicionado pelo facto de eu ter optado por não ter FB. Estou em crer que o surgimento de Lk e FB têm, na sua origem, propósitos diferentes. Porém, sabemos que hoje a mutação das coisas (em vários domínios) pode conduzir a que os posicionamentos das soluções não sejam estáticos. Nesse sentido, podemos admitir que o FB passe também a jogar uma cartada no ambiente natural do Lk. A mais valia desse movimento terá que ser avaliada com cuidado.

Já há muito tempo que tenho parte da minha informação profissional no meu perfil Facebook. Embora continue a utilizar o meu perfil sempre com carácter mais pessoal, no entanto tenho sempre em mente o quanto é público. Embora tenha posts pessoais e familiares, tenho sempre o cuidado de que sejam éticos. Não estou, no entanto, a ver como a maior parte das pessoas conseguiriam utilizar o seu perfil neste momento para enviar CV ‘s 😉 mas também aqui, tudo depende daquilo a que se concorre. Não devemos limitar – nos a regras rígidas. Por isso, venha lá o CV do Facebook. Para quem utiliza esta plataforma também já como excelente suporte para marketing ( já o faço também com as minhas páginas) será uma mais – valia. No entanto, continuo a achar o LinkedIn a plataforma por excelência para assuntos de ordem profissional

António Costa

Se a marca de cada um é tanto profissional como pessoal, parece-me que será mais fácil para o Facebook transmitir a parte profissional que para o Linkedin transmitir a pessoal.

Filipe Menezes de Sequeira

Tradicionalmente o FB é uma rede social de carácter lúdico. Com a excepção de em algumas geografias tais como, Moçambique ou Angola, em que de facto já está a sair deste âmbito, sendo já usado como plataforma de recrutamento, por cá (EU), julgo que não. Deve continuar a existir essa distinção. Arrisco dizer que se o FB tomar essa via, será uma medida meio suicida. Primeiro porque já existe um Lkn bastante mais experiente e bem implementado nesta área, segundo porque haverá então uma mudança massiva dos seus utilizadores para outras redes sociais como o Instagram. Nota final: o Lkn deve estar atento (e com certeza estará) a este tipo de pretensões. Julgo que está na altura tambem de se reformular em diversas aspectos (mas este ponto seria tema para outro post) 🙂

Inês Pimentel

Olá Pedro, fizeram-me recentemente a pergunta e a resposta imediata foi não pelas mesmas razões já apontadas, Facebook/pessoal, LinkedIn/profissional. Mas depois de refletir sobre a minha resposta surgiu-me outra pergunta… Why not? Tenho ambas vertentes e na verdade não consigo dissociar uma da outra. Muito pelo contrário, sinto que ambas estão interligadas. Por esta razão, não vejo porque não até porque caso não me queira expor demasiado, o Facebook tem ferramentas para delimitar a informação para diferentes grupos. É mais uma opção e por isso, why not? A partir daí é uma decisão individual.

Cristiane Thiel

Se o Facebook incluir uma veia profissional no conteúdo será muito bem-vindo.

Sem qualquer problema! Movo me nas redes (sem exceção)com o pressuposto de que há coisas que só assumem real significado e sentido, quando partilhadas numa esfera não virtual…

Tiago Coelho

Maybe… O facebook apesar de ser a maior rede social, os utilizadores de momento ainda não estão despertos para uma utilização profissional. A intenção é boa, veremos se a ideia vai resultar.

Pedro Miguel Martins Ferreira

Facebook esta a atacar na raiz, ou seja base da pirâmide….os #futuros# Faixa etária LinkedIn é bem superior, correto? Facebook e mais dinâmico para contratações relâmpago… LinkedIn vai ter que ter vídeo e chat melhorado entre outros pressupostos…

Paula Roda

Na minha opinião, será uma questão de tempo.

Pelo não…

 

Ana Fernandes

Não utilizaria!! Estou plenamente de acordo com o que diz Pedro Miguel. O Facebook é pessoal , as empresas entrariam na vida privada de cada um. Mas será interessante ver o resultado!

Jorge Duarte Guimarães

Prefiro manter cada mídia social para seu uso específico: FB para os amigos e família e o LKD para o trabalho. Afinal hoje não devemos dar atenção de forma equilibrada a vida pessoal x profissional, por que juntar as duas no FB? Desejo que isto não se consolide! (editado)

Manuel Gavina

Eu pessoalmente não.. E o mesmo que usar uma chave de fendas para pregar um prego. Mas será interessante ver o resultado.

André Belezas

Eu não o utilizaria (e no meu caso nem possuo facebook 🙂 ) pois considero o facebook um perfil pessoal, apesar de entender que cada vez mais as empresas tentam conhecer os candidatos e/ou colaboradores ao máximo explorando tudo o que estiver ao seu alcance.

Célia Correia

Eu não usaria. No FB faço, entre outros, comentários sobre política, futebol e religião. Não quero nenhum desses 3 assuntos envolvidos com um potencial empregador. Da mesma forma que não quero que o meu potencial “futuro chefe” saiba se fui para o Gerës com o namorado na semana passada, ou com a prima para a baixa do Porto no sábado, etc., etc. A César o que é de César.

 

Fabio Espirito Santo

Negativo. São plataformas diferentes e com conteúdos e propósitos distintos. Contudo, como todas as plataformas, depende muito da capacidade do Facebook de vir a atrair um conjunto significativo de oportunidades.

Moacir de Matos

Não acho que o facebook chegaria no nível do Linkedin, facebook tem o seu conceito definido. Por outro lado, facebook é uma ”social bullying media” platform. São poucos os empregadores que recorrem ao facebook para recrutar ou estabelecer contato. Portanto, isto é só mais uma ”make-up”.

João Pires

Decididamente não …. pq? Pq cada coisa no seu lugar e para mim o fb tem razoes pessoais e o LinkedIn tem razões profissionais.

E atenção … não tem nada a ver com os conteudos existentes nos meus perfis … mas sim uma questão metodológica e organizativa.

Filomena Ferraz de Oliveira

Nope! Para além do mais, os jovens (futuros recrutados) não são fãs do FB. Optam pelo Instagram e outras redes ‘mais instantâneas’. FB é uma rede util e poderosa mas, entendo, não deve ambicionar cobrir a componente profissional sob pena de virar um “bacalhau com asas”.

Mario Andrade

Há um ditado que diz para não misturar trabalho com prazer. Usar o Facebook para candidatar a ofertas de emprego é misturar ambos.

monica santos

Nao me parece muito viável até porque são plataformas distintas…..”cada macaco no seu galho”…. E como diz o Nuno Matias se calhar não gostava que recrutadores ou empresas vissem a minha vida privada que só a mim me diz respeito. Mas quem sabe!!!!